Serviços de Inclusão Social

 
 
 
 

Equipa de Rua para Pessoas em situação de Sem-abrigo

 
Apoio aos Sem-abrigo
 
 
 

Projeto A Minha Casinha

 
Projeto Inclusão Social
 
 
 
 
 

Serviços Semanais

 
Serviços Apoio Acolhimento
 
 
 

Atividades de Desenvolvimento de Competências Pessoais - Atelier Ocupacional

 
Atividades Desenvolvimento Pessoal
 
 
 
 
 
 
 

Eventos e Atuações

 
Efetuamos atuações na instituição, e por convite no exterior em eventos sociais e em épocas festivas, com o nosso Grupo Musical, Teatro Educativo e Coreografia Musical
 
 
 
Acolhimento - Atuações
 
 
 
 
Equipa de Rua para Pessoas em Situação de Sem-Abrigo
 
 
Enquadramento

A Equipa de Rua para Pessoas em situação de Sem-Abrigo da Associação Protectora dos Pobres, foi criada a 05 de Janeiro de 2016, com o objetivo de estabelecer uma relação de confiança com as pessoas em situação de sem-abrigo, visando melhorar as condições de vida desta população de modo a poder encaminhá-los e acompanhá-los de acordo com as necessidades que apresentam, promovendo desta forma a sua integração social, a nível familiar, habitacional e profissional.

O que fazemos

A intervenção social é desenvolvida no Concelho do Funchal, através do acompanhamento psicossocial da população em situação de sem-abrigo. A equipa intervém ao nível das diferentes situações: emergência, motivação, encaminhamento e reinserção social.

A quem se destina

População em situação de sem-abrigo do Concelho do Funchal.

Objetivos

• Criar uma relação de confiança, que permita motivar as pessoas em situação de sem-abrigo a mudar de vida;
• Melhorar a condição de vida das pessoas em situação de sem-abrigo, encaminhando para as diversas áreas de acordo com as necessidades que apresentam (Administração, Balneários, Lavandaria, Refeitório, Rouparia, Gabinete de Apoio Social, Consulta e Acompanhamento de Enfermagem e Psicologia);
• Prestar apoio psicossocial de forma a prevenir regressões/recaídas;
• Motivar para a inserção social.
 
 
Intervenção realizada pela Equipa de Rua para Pessoas em situação de Sem-Abrigo

Aplicação de questionários a utentes da APP a fim de conhecer a sua realidade, para melhor intervir com a população que se encontra em situação de sem-abrigo.

Saídas ao exterior, que consistem na realização de percursos ajustados aos locais de permanência das pessoas que se encontram em situação de sem-abrigo e que têm como objetivo a criação de uma relação de maior proximidade entre a rua e a APP, promovendo a utilização dos serviços existentes na instituição e impulsionando, assim, a sua reintegração na sociedade. Às terças e quartas-feiras a equipa faz-se acompanhar por um Enfermeiro da Casa de Saúde S. João de Deus. Após cada saída é realizado um registo relatando os utentes avistados ou abordados e observações que dão conta da intervenção realizada.

Atendimento Social destinado ao utente, que tem como objetivo fundamental, numa primeira entrevista de avaliação, fazer o diagnóstico social da situação-problema e respetiva triagem; estabelecer a prioridade; avaliar do ponto de vista das suas implicações; e, por fim, elaborar o plano individual de integração social. Numa segunda fase, o atendimento social tem por base o acompanhamento social do utente, redefinindo e ajustando o plano de intervenção. Estes atendimentos são previamente planificados de acordo com a fase de intervenção, de forma a permitir uma eficiente recolha de informações.

 
 
 
 
Elaboração de listagens de utentes que se encontram em situação de sem-abrigo identificados pela APP/ERSA, realizadas mensalmente e que se encontram subdivididas em três listas:

1. Pessoas em situação de sem-tecto no concelho do Funchal:
- Frequentam os serviços da APP;
- Penalizados por incumprimento de regras da APP;
- Não frequentam os serviços da APP, por opção própria;

2. Pessoas em situação de sem-casa no concelho do Funchal:
- A pernoitar no Centro de Acolhimento Noturno;
- Encaminhados pela APP para tratamento na Casa de Saúde S. João de Deus;
- Em tratamento na Casa de Saúde de São João de Deus;
- Encaminhados pela APP para tratamento na Casa de Saúde Câmara Pestana;
- Em tratamento na Casa de Saúde Câmara Pestana;
- Encaminhados pela APP para tratamento na Unidade de Tratamento da Toxicodependência;
- A cumprir pena no Estabelecimento Prisional;
- Em internamento no Hospital;

3. Conclusão Mensal:
- Integração Familiar;
- Integração Habitacional;
- Integração Profissional;
- Falecido;
- Sem informação;

Estas listagens têm como objetivo apresentar o real número de utentes que se encontram na situação de sem-abrigo e que são identificados ao longo da intervenção da ERSA, tanto em contexto de rua como em atendimentos.

Visitas ao local de pernoita aos utentes que se encontram em situação de sem-abrigo. Estes espaços podem ser públicos ou privados não destinados para o alojamento, como por exemplo, edifícios que não reúnem condições de habitação, casas abandonadas, viadutos, furnas, parques de estacionamento e principais avenidas da cidade do Funchal onde estes utentes pernoitam regularmente. Estas visitas são previamente autorizadas e têm como objetivo a recolha de dados no seu meio natural de vida, complementares ao diagnóstico social.

Visitas Domiciliárias aos utentes que se encontravam em situação de sem-abrigo e que, atualmente, estão integrados em quarto/habitação. A primeira visita visa o reconhecimento da situação-problema, e as restantes têm como função o acompanhamento e supervisão.

Reuniões intrainstitucionais e interinstitucionais promovem a articulação entre os diferentes profissionais que intervêm diretamente com o utente, de forma a concertar uma estratégia comum de apoio na resolução da sua situação-problema. A ERSA desempenha um papel fundamental no decorrer destas reuniões, uma vez que, é através desta equipa, que é feita a abordagem in loco e o acompanhamento das situações que ficam aquém dos olhares institucionais e da sociedade em geral.
 
 
Reuniões com familiares de utentes visam dar a conhecer aos familiares do utente todo o acompanhamento que é feito ao mesmo por parte da Associação Protectora dos Pobres e, em conjunto, definir estratégias de intervenção social para melhorar a sua condição de vida.

Acompanhamento do utente a:

- Internamento na Casa de Saúde São João de Deus, na Casa de Saúde Câmara Pestana e na Unidade de Tratamento da Toxicodependência;
- Consultas no Centro de Saúde do Bom Jesus e na Unidade de Tratamento da Toxicodependência;
- Loja do Cidadão para realização da documentação (Instituto dos Registos e do Notariado para realização do cartão de cidadão ou alteração de morada; e Direção Regional dos Assuntos Fiscais para requerer declaração de IRS);
- Instituto de Segurança Social da Madeira para atendimentos de serviço social, requerimento de apoios sociais (RSI, Pensão de Invalidez) e reenvio de vales de RSI ou Pensão de Invalidez para a morada da APP;
- Instituto de Emprego da RAM (pedido de Declaração de inscrição no IEM e atendimento com profissionais de emprego);
- CTT - Correios de Portugal, S.A (levantamento dos vales das prestações sociais);
- Realização de compras de bens essenciais.

• Projeto Porto Seguro com os utentes que frequentam o Projeto “A Minha Casinha” e aqueles que se encontram em situação de sem-abrigo. Este projeto pretende abordar as desvantagens de morar na rua, visando incentivar a mudança de hábitos e a procura de melhores condições de vida. Estas sessões são realizadas de 15 em 15 dias, num período de 1h, na sala Polivalente da APP.

• Projeto Viver + Vida com os utentes do Centro de Acolhimento Nocturno e do Atelier Ocupacional da Associação Protectora dos Pobres, ao nível do treino de competências/programa de autonomização contínuo, que é assegurado e acompanhado pela equipa multidisciplinar. As sessões são realizadas de 15 em 15 dias, durante 1h, na sala polivalente da APP.

• Projeto A Minha Casinha com os utentes que pernoitam na rua e no Centro de Acolhimento Noturno e que ainda não reúnem competências para integrar o Atelier Ocupacional. Este projeto pretende criar um espaço securizante, de funcionamento diurno, com atividades lúdicas, de lazer e artísticas, de forma a cativa-los e a envolve-los num espaço seguro e capaz de aliciar a mudança. O projeto funciona diariamente, na sala Polivalente da APP, com o apoio de técnicos da equipa multidisciplinar da APP, no horário compreendido entre as 10h00 e as 12h00.

• Projeto “O Meu Pé de Meia” com os utentes que frequentam o Projeto “A Minha Casinha”, consiste em o utente aprender a distinguir as prioridades no que toca à organização e gestão dos seus rendimentos.